Espiritualidade primitiva

As religiões de fato representam leis e princípios universais da criação por meio de seus símbolos, e também proporcionam vislumbres da experiência de integração da personalidade, através da prática de seus rituais.

Quem já passou por religiões, provavelmente já teve estes vislumbres e sabe que realmente este e outros fenômenos acontecem.

Porém, se observarmos, até hoje, as religiões despertaram muito mais ódio e conflitos em seus seguidores do que o Amor e a harmonia.

Basta olhar um pouco para história do Hinduísmo, do Islamismo, do Cristianismo e de várias outras vertentes, que vemos isso se confirmando até os dias atuais.

O Cérebro Humano

Ao longo da evolução, o cérebro humano adquiriu três partes que foram se formando uma sobre a outra, são elas:

1 – O arquipálio ou cérebro primitivo, correspondente ao cérebro dos répteis, conhecido também como complexo-R.

2 – O paleopálio ou cérebro intermediário, dos mamíferos primitivos, que é formado pelas estruturas do sistema límbico.

3 – O neopálio, também chamado cérebro superior ou racional, está presente nos mamíferos mais novos do ciclo de evolução, que engloba a maior parte dos hemisférios cerebrais, formado por um tipo de córtex, denominado neocórtex.

Este terceiro, está presente nos mamíferos superiores, que inclui nós humanos, representando aproximadamente 76% do volume do cérebro.

Essas três camadas cerebrais foram surgindo uma após a outra, durante o desenvolvimento das espécies, e segundo o neurocientista Paul MacLean, essas partes funcionam como três computadores interconectados que preservam suas particularidades.

De forma bem superficial, podemos dizer que o paleopálio, que inclui o sistema límbico, é responsável por nosso comportamento instintivo e irracional, enquanto o neopálio é responsável pelo desenvolvimento da consciência.

Espiritualidade Primitiva

Acontece que as religiões, são manifestações primitivas, de um período da história em que se tentava compreender os fenômenos sutis da existência, utilizando símbolos e mitos que cabiam no imaginário das pessoas de cada época.

Ou seja, a religião tenta compreender o Criador e as leis do universo, dentro dos limites do sistema límbico, que se identifica com a emoção da crença desprovida de consciência.

Por este motivo, o adepto da religião desperta em si um suposto amor a deus, as entidades, aos santos, e a seus líderes, enquanto odeia as pessoas que não compartilham das mesmas crenças.

A Sinfonia da Vida

O sistema límbico é uma orquestra sem maestro, ele desencadeia uma avalanche de emoções conflitantes e primitivas, um ruído interno, que somado ao sentimento religioso, vai produzir este caos que vemos em toda história das religiões.

O neocórtex é o maestro, ele permite o desenvolvimento da consciência, criando uma bela sinfonia emocional, que inclui o sentimento religioso de forma saudável, transcendendo os símbolos e os mitos, produzindo o objetivo final da vida, a harmonia.

Se você deseja entender melhor sobre este assunto, recomendo que conheça meu livro, PHILADELPHIA – O Segredo da Vida, onde esclareço o mistério que as tradições espirituais ocultam por trás de suas representações, permitindo que você viva uma espiritualidade esclarecida, livre de dogmas, conflitos, culpa ou medo.